Vida Saudável

Uma vida saudável começa com incentivo e as dicas certas para fazer o seu dia-a-dia mais simples!


jul/2016 - Glico 2

Jejum: um inimigo que convive com o diabetes

Bem, se você tem diabetes ou conhece alguém que tenha, já deve ter ouvido sobre a importância de se alimentar regularmente, certo? Vamos explicar o porquê disto e desvendar esta questão!

O diabetes é caracterizado por altas taxas de glicose no sangue. Mas, assim como o excesso de glicose no sangue é prejudicial à saúde, os níveis abaixo do normal também são muito perigosos. Isso porque, a glicose é a fonte de energia para o corpo humano executar todas as suas tarefas, desde andar, falar e até mesmo pensar. Por isso, o jejum prolongado pode levar à falta desse combustível para o corpo, impedindo-o de realizar qualquer tarefa.¹

A hipoglicemia não ocorre exclusivamente em pessoas com diabetes, apesar de ser mais recorrente neste grupo, em especial em usuários de insulina e de outros medicamentos que podem baixar de maneira drástica os níveis de açúcar no sangue, colocando o paciente em risco.²

O que é a hipoglicemia

A hipoglicemia é uma condição séria de saúde, que ocorre quando os níveis de açúcar no sangue ficam abaixo do mínimo considerado normal (70mg/dl).¹

Entre os sinais e sintomas da hipoglicemia estão tremores, suor excessivo, dificuldade para falar, fraqueza, desmaios e convulsões.³ Se não tratadas, as crises de hipoglicemia podem levar o paciente ao coma e até mesmo ser fatais.¹ A hipoglicemia é potencialmente mais grave em alguns grupos, como entre os idosos.4

Atenção!

Se você tem diabetes e passou ou está passando por crises de hipoglicemia sem razão aparente, elas podem ser efeito colateral do seu tratamento para o diabetes.¹ ² Não interrompa o tratamento, mas converse com seu médico assim que possível, para que ele possa reavaliar a medicação. Hoje já existem terapias mais modernas que não trazem esse efeito colateral, pois mantêm os níveis de açúcar no sangue controlados ao longo do dia, sem picos.5

Confira 8 dicas valiosas para evitar a hipoglicemia e seus riscos!

  1. Evite jejuns: para controlar a glicemia no sangue o paciente precisa fazer refeições saudáveis e com intervalos regulares espaçamento regular (idealmente pequenas porções a cada três horas). Se você precisar fazer jejum por alguma causa maior, como uma questão religiosa ou uma cirurgia, converse com seu médico antes. Ele poderá te aconselhar sobre como minimizar os riscos frente a essa necessidade especial!6 7
  2. Faça a automonitorização da glicemia regularmente: é importante medir sua glicemia de forma constante, em especial se você perceber algum sintoma da hipoglicemia. Se em algum momento sua glicemia estiver abaixo de 70mg/dl, alimente-se imediatamente.¹ 6
  3. Cuidados antes dos exercícios... Não faça atividades físicas em jejum e verifique a sua glicemia sempre antes de praticar exercícios físicos, já que as atividades podem baixar ainda mais os índices de glicemia.6
  4. Procure saber se a hipoglicemia é um efeito colateral do seu remédio. Alguns tratamentos como a insulina ou outras terapias por via oral mais antigas podem levar a uma queda muito abrupta agressiva dos índices de glicemia no sangue e assim causar as crises de hipoglicemia.¹ Se você notar que esse pode ser o seu caso, converse com seu médico, pois ele poderá trocar a sua medicação para evitar este efeito.
  5. Atenção na direção! Crises de hipoglicemia podem ser ainda mais graves se o paciente estiver dirigindo, já que podem causar acidentes.¹ Tenha atenção redobrada aos sintomas da hipoglicemia se for dirigir veículos. Jamais se arrisque e arrisque a vida de outros.
  6. Cuidado no trabalho. Trabalhadores expostos à altura ou a outros riscos pessoais devem comunicar os colegas sobre a sua condição e, assim como os motoristas, ter cuidado redobrado com a hipoglicemia.  
  7. À noite... Procure sempre fazer uma ceia antes de dormir e tenha cuidado ao se levantar para ir ao banheiro durante a madrugada, pois o seu nível glicêmico pode estar baixo e, assim, você evita tombos.?
  8. Siga as orientações do seu médico e da sua nutricionista. Tenha um diálogo aberto, conte sobre suas dificuldades para seguir o tratamento proposto, tire suas dúvidas e relate qualquer sinal ou sintoma. Só assim eles poderão de ajudar!

 

Dr. Laercio Raposo da Silva Filho, inserir título, CRM 52-87219-9